Maternidade e Carreira Profissional

💙
17 maio 2018

Conciliar maternidade com carreira requer esforço, mas compensa !

Apesar da rotina se tornar muito mais cansativa, é importante que a mulher não deixe de lado suas aspirações pessoais, ao mesmo tempo em que cuida do lar. 

Com o passar do tempo, a mulher começou a exercer funções que, antes, eram considerados masculinos- como CEOs de empresas ou, até mesmo, como presidente do país, como foi o caso de Dilma, a primeira mulher a presidir o Brasil. Além disso, diversas foram as conquistas sociais e a quebra de certos preconceitos. A mulher sempre pode tudo e agora que a sociedade está compreendendo essa situação.

Entretanto, as mulheres que desejam ser mães enfrentam uma dupla jornada: a de cuidar dos filhos e do lar, e, também, participar da renda familiar. Conquistas como estas, muitas vezes, são acompanhadas por um sentimento de culpa por deixar os filhos, ainda bebês, aos cuidados de outras pessoas, para que elas possam trabalhar fora de casa. "O maior desafio é saber lidar com a culpa, mas é preciso reconhecer que abrir mão do trabalho pode significar prejuízo financeiro e insatisfação pessoal. Assim como ser mãe, trabalhar e ganhar o próprio dinheiro faz parte dos sonhos da maioria das mulheres", explica Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, e mãe de cinco filhos.

Madalena diz que, com o Dia das Mães chegando, é preciso que as mulheres se lembrem de que, além de boas profissionais, elas precisam ser presentes em casa, também. "Claro, chegar cansada depois de um longo dia de trabalho é muito compreensivo, mas participar da vida de seus filhos também é essencial. Acompanhar os estudos deles, convida-los para jogar alguma coisa ou fazer algum passeio durante o fim de semana são ótimas maneiras de tomar parte da vida de seus filhos, sem sufoca-los e deixa-los muito soltos, ao mesmo tempo", conta a profissional.

A gestora conclui, dizendo que é preciso que as mulheres se lembrem de separar um tempo, alheio da vida profissional e maternal, para elas mesmas. "Apesar de parecer uma missão impossível, é necessário lembrar-se, sempre, de guardar um tempo para fazer alguma atividade que lhe dê satisfação, sem que ela seja feita para os outros, mas em benefício próprio. Com a correria do dia a dia, faz bem cuidar de si mesma, também", finaliza.

Licença Maternidade

💙
15 maio 2018

Como tornar esse momento mais leve!


BEPANTOL® BABY DÁ DICAS PARA TORNAR ESTE MOMENTO MAIS LEVE PARA A MÃE QUE ESTÁ PRESTES A RETORNAR AO TRABALHO

A gravidez é uma fase de descobertas, expectativas e realizações para os pais. Novas experiências são vividas e desafios são superados. Após o nascimento do bebê, toda a família vive uma rotina diferente, sobretudo a mãe, que tem um novo foco de atenção praticamente 100% voltado para filho.

Exercer o papel de mãe não é tarefa fácil, mas com o passar do tempo as coisas começam a fluir com mais naturalidade e quando ela se dá conta a licença-maternidade está chegando ao fim.

A preparação para essa fase deve começar alguns dias antes e, para que ela seja mais leve e tranquila, Bepantol® Baby, creme antiassaduras da Bayer que se preocupa com a saúde e bem-estar do bebê e da mamãe, dá algumas dicas:

Retome a rotina aos poucos! O tempo mamãe-bebê juntos será menor. Para ir se adaptando, faça atividades sozinha fora de casa, como uma caminhada, ir ao cabeleireiro, ou mesmo reservar um tempinho para as compras de supermercado.

Procure dormir melhor! O sono é um dos aspectos mais afetados na vida da mãe-profissional de volta à rotina. Mesmo em casa, comece a dormir e acordar no horário dos dias úteis para regularizar o ritmo do organismo.

Escolha da escolinha, creche ou babá! Escolher um local ou pessoa de confiança para cuidar do bebê é essencial para deixar a mãe e o pai mais seguros. Defina previamente a melhor opção e comece a adaptação aos poucos, deixando o bebê por pequenos períodos, até deixá-lo em período integral.

E, acima de tudo, não se culpe! Se a mãe opta por retornar ao trabalho é porque essa é a melhor escolha para toda a família. Portanto, NÃO se culpe por não estar mais 24 horas por dia, 7 dias na semana na rotina do bebê. Esse é o momento para isso acontecer e será benéfico para todos. O contato do bebê com outras pessoas vai contribuir para o desenvolvimento dele e a mãe pode estabelecer novos relacionamentos profissionais que serão importantes nesse processo.

Sobre a Linha Bepantol® Baby

Sempre pensando no bem-estar da mãe, do pai e, claro, dos bebês, a Bayer oferece Bepantol® Baby, creme antiassaduras que vai além dos antiassaduras comuns. Com sua fórmula única, livre de conservantes e agentes irritantes, forma uma barreira transparente que deixa a pele delicada do seu bebê respirar, mantendo-a sempre saudável. Possui Lanolina, que forma uma barreira protetora transparente no bumbum, e Pró-Vitamina B5, que penetra na pele do bebê deixando-a mais resistente contra assaduras. Além disso, Bepantol® Baby é livre de perfumes, corantes e parabenos que podem sensibilizar a pele delicada do bebê.

Bepantol® Baby, proteção para a pele que mais precisa.

Preço médio sugerido de Bepantol® Baby: 30 gramas – R$ 19,90; 60 gramas – R$ 35,90; 100 – R$ 50,90

Atividade física na gestação

💙
11 maio 2018

Ajuda no desenvolvimento do bebê


Durante muitas décadas a mulher grávida foi tratada com um excesso de cautela e em alguns casos até mesmo impedida de realizar pequenas tarefas do seu dia a dia, mas isso vem sendo superado aos poucos. Com o passar do tempo, estudos mostraram que a gestante não é tão frágil como se imaginava e que a prática regular de atividade física não seria nociva, muito pelo contrário, benéfica, quando bem supervisionada.

Um marco para essa mudança de tratamento foi o estudo realizado pela American College of Obstetricians and Gynecologists, na década de 90, mas ainda existem muitas dúvidas, mitos e controvérsias.

Justamente por isso, Bruno d’Orleans, personal trainer, e criador da marca OSEUPERSONAL, esclarece como e quando praticar atividade física durante a gravidez.

“O benefício mais aparente para leigos é o controle do peso. É um fato esperado que a gestante ganhe peso durante a gravidez. Entretanto, o excesso de peso pode ser prejudicial a ela e ao bebê, trazendo consequências indesejadas como hipertensão arterial, diabetes, obesidade pós-parto e complicações no parto, por exemplo. Gestantes que praticam atividades físicas apresentam uma redução na velocidade do ganho de peso, isto quer dizer que ganham peso progressivamente, porém de forma mais lenta, chegando ao final da gestação com um peso saudável”, explicou Bruno.

“O controle no ganho de peso pode refletir na redução de edemas, diminuição de câimbras e fadiga ou em questões mais significativas, como prevenção de patologias graves, como diabetes”.

Durante os nove meses, pode ocorrer um desvio do centro gravitacional da gestante graças ao peso extra, expansão do útero, à rotação da pelve e ao aumento de elasticidade dos ligamentos.

“Isto pode fazer com que a mulher adote, ainda que sem querer, uma nova postura, geralmente uma hiperlordose lombar, ocasionando dores e desconfortos como lombalgia. Uma musculatura fortalecida contribuirá para uma melhor adaptação a essa nova postura e ajudará a mulher a lidar com o peso extra que estará carregando”.

Outro benefício diz respeito ao coração da futura mamãe. Durante a gravidez há um aumento da atividade cardiovascular.

“Com a prática regular de atividade física é possível reduzir esta sobrecarga e, como consequência, a futura mamãe ganha, por exemplo, prevenção de trombose e varizes, e redução do risco de diabetes gestacional. Essa última afeta cerca de 5% das gestantes”, contou Bruno.

Um medo muito comum das futuras mamães é que a prática de atividade física possa induzir a um parto prematuro.

“Quando praticada com a correta orientação, a atividade física pode até mesmo contribuir para o nascimento na data prevista, uma vez que fortalece a musculatura pélvica e abdominal, que estará mais preparada para suportar o peso do bebê o tempo que for necessário. Este fortalecimento pode ser muito útil também no momento do parto, caso a mulher opte pelo parto normal. Estudos indicam que mulheres que se exercitaram corretamente demoram menos em trabalho de parto”, finalizou Bruno.

Também existe relação direta entre a prática de atividade física e a diminuição do risco de depressão pós-parto, em função dos índices de hormônios responsáveis pela sensação de bem estar liberados durante a atividade física, que se mantém elevados.

Não é apenas a mulher quem se beneficia com a prática regular de atividade física durante a gestação. Estudos comprovam que bebês cujas mães se exercitaram de forma adequada nasceram com mais peso do que bebês de mães sedentárias. E não se trata de “bebês mais gordinhos”, pois além do peso, foram observados outros fatores como percentual de gordura e circunferência craniana, constando que bebês cujas mães se exercitaram de forma correta tendem a ser mais desenvolvidos.

Cuidados

Porém, alguns cuidados devem ser observados. A gestante deve adotar algumas precauções. Só deve dar início à prática de atividade física quando seu médico a autorizar. Um profissional de educação física não está autorizado a tomar esta decisão, apenas o médico que acompanha a gestante.



Como gerir a maior carreira da vida de uma mulher: ser mãe?

💙
10 maio 2018
Palavra de Coaching - Aline Salvi Schmidt (Master Coach)

Conheça as competências emocionais fundamentais para gerir a maternidade


De fato, ser mãe é complexo. Requer habilidades específicas, funções nem sempre bem definidas, que exigem esforço, resiliência e horas de sono perdido. Sem direito a férias, 13º salário, adicional noturno, hora extra, periculosidade ou salubridade. Quando além de esposas temos uma profissão, fica ainda mais complicado. Mas por incrível que pareça, muitas vezes é mais fácil ser boa mulher, dona de casa (bela recatada do lar) e uma profissional bem sucedida. Menos complicado do que ser uma mãe de sucesso.

Em contrapartida, ser mãe é a carreira mais incrível da vida de uma mulher. Proporciona benefícios emocionais e gratificações pelo trabalho realizado, às vezes intangíveis, que compensam toda a dedicação. Mas essa materna profissão é bem remunerada. São sorrisos, rabiscos/desenhos e mensagens no dia das mães, são sentimentos positivos que nos abastecem diariamente.

Para enfrentar a maternidade é importante conhecer o que nós mulheres temos de melhor e descobrir o que podemos desenvolver para oferecer ainda mais. No processo é imprescindível tomar consciência sobre as habilidades emocionais para oferecer um ambiente seguro e equilibrado aos filhos.

Quem nunca se deparou com mães muito autoritárias, liberais, distantes ou próximas demais? Nada “de mais” ou “de menos” é saudável. Quando muito presente, pode sufocar o filho e não permitir que ele tenha espaço suficiente para ser quem realmente é. Se distante, uma mãe acaba passando a mensagem de “não se importar”, comprometendo a autoestima e autorealização do filho.

Ser mãe não tem bem um segure, mas se tivesse, seria o equilíbrio. Requer um equilíbrio emocional sobre-humano, não somente para gerenciar as próprias emoções, mas ser evoluída o suficiente para compreender como seu comportamento impacta e forma o seu filho. Precisamos estar bem para fazer o bem, o certo, mesmo quando é necessário ser severa. Mas afinal, o que uma mãe de sucesso precisa ter? Habilidades Emocionais. Aptidões que se desmembram em quatro: Autopercepção, Empatia, Teste de Realidade e Tolerância ao estresse.

Habilidades emocionais necessárias para o cargo de supermãe

Autopercepção

A boa mãe precisa compreender suas próprias emoções. Investiga-se, saber quando está depressiva, com sinais de arrependimento ou crises de estresse, ansiedade. Não é fácil. Às vezes a mulher pode estar com esgotamento psicológico e não conseguir julgar a si mesma. Nesse caso é preciso até mesmo de ajuda profissional.

Empatia

Um dos pontos de partida é possuir empatia. Primeiro, porque seu filho estará se descobrindo, vivendo momentos diferentes dos seus e você precisa entender, a partir da perspectiva dele. Outro ponto é respeitar a individualidade e apoiar as decisões importantes dos filhos, mesmo que sejam opostas as suas e até mesmo lhe doam.


Teste de Realidade     

Perceber de forma realista o que o filho faz de bom e ruim é fundamental para educá-lo corretamente. Caso contrário, o seu filho poderá ter atitudes incorretas ou mesmo prejudicar quem estiver ao redor, e você ao invés de repreender, o defenderá.

Falta de percepção não colabora para a formação de um adulto responsável.


Tolerância ao estresse

Um filho é um compromisso para o resto da vida. Principalmente nos primeiros anos de vida, o que pode ser extremamente estressante, desgastante. Uma criança é dependente. Uma boa dica é perceber quais são os sinais que você mesma dá quando está muito sobrecarregada e contar com a família ou amigos. Dividir um pouco a responsabilidade. Ter momentos só para você também ajuda muito.

It´s-a me, Mari !

💙
09 maio 2018

Acompanhamento Mensal - 9 meses !

Quem não teve a fase de curtir Super Mario e o Luiggi?
Aqui não passamos ileso por essa fase, eu na minha infância adorava jogar com meus irmãos, e o Gui também adora e hoje brincamos juntos, e o resultado acabou em um ensaio.

Mas vamos confessar a minha "Mari Brós" é muito mais encantadora !

















E ai gostaram do ensaio? 
A Rhariclea mais uma vez arrasou nos clicks, seguem ela nas redes sociais Instagram ClickMomentos e no Facebook - clickmomentosfotografia, e se tiver pensando em fazer um ensaio em família, smash the cake, aniversário não deixe de entrar em contato com ela através do 📞 (11) 98210-2854.

Escolas adotam o protagonismo como processo educativo na primeira infância

💙
07 maio 2018

Inspiradas nas escolas italianas, elas praticam a escuta atenta das crianças, valorizam suas potencialidades e deixam de lado uma programação com horários rígidos


Por muitas décadas o sistema de Educação Infantil no Brasil valorizou o ensino tendo como centro a figura do professor. Hoje, esse quadro se inverteu e é a aprendizagem com foco na criança que passa a ser a essência do processo educativo. Nesse contexto de mudança de paradigma, Escolas de Educação Infantil se inspiram em abordagens pedagógicas que valorizam e investem nas potencialidades das crianças.

A ideia de criança protagonista nasceu na cidade de Reggio Emília, na Itália e é baseada na pedagogia do professor Loris Malaguzzi (1920-1994) autor do livro “As Cem linguagens da Criança”.

Trata-se de um conceito que considera as crianças na primeira infância, faixa etária de 0 a 6 anos, como ativas, competentes e que tem voz em seu próprio processo educativo e de desenvolvimento. “O valor pedagógico se dá quando o foco está na criança: como ela se desenvolve, como brinca e se comunica”, explicam Solange Germani e Fabiana Germani, diretoras da Escola de Educação Infantil Cultura da Infância, localizada em Sorocaba, interior de São Paulo.

Entre os princípios que norteiam o cotidiano da escola, que nasceu inspirada na abordagem italiana estão, além do protagonismo, a valorização de todas as linguagens, verbais e não verbais e o investimento em projetos educativos. O brincar livre, a arte e a alimentação saudável também são pontos norteadores do trabalho com as crianças.



 O protagonismo na prática: intenção, espaço e materiais

Segundo Solange, quando o educador passa a olhar a criança como protagonista, a relação com ela e o planejamento das propostas pedagógicas se modifica. “O professor não chega com uma atividade pronta, mas propõe projetos baseados nos interesses que as crianças demonstram”, explica.

Para tanto, Solange aponta a necessidade de uma escuta ativa, ou seja, mais do que ouvir as crianças é preciso interpretar o que dizem por meio de suas múltiplas linguagens. “É preciso estarmos atentas e abertas a elas: suas falas, necessidades e maneiras singulares de se comunicar. Afinal, elas têm mais de cem linguagens”, completa Solange.

Ainda que os projetos sejam baseados, majoritariamente, nos interesses das crianças, é necessário que haja planejamento para que se tornem processos educativos ricos em aprendizagem.

Fabiana conta que o planejamento na Escola Cultura da Infância possui três pilares fundamentais: intenção pedagógica, espaços e materiais. “Se a intencionalidade é estimular a interação entre os bebês, por exemplo, o professor organiza um espaço seguro, provocador e disponibiliza os materiais. Enfim, planeja a proposta para que o protagonismo das crianças se faça presente”, explica.


A atelierista da escola, Camila Pedroso foca seu trabalho no livre brincar, dando asas à imaginação infantil. Da mesma forma, faz o professor de Educação Física, Jonathan Monteiro, que é o atelierista de Corpo e Movimento da Escola. Seu trabalho com as crianças é criar situações que as permitam entrar em contato com o próprio corpo, trabalhando equilíbrio e destreza, por meio da brincadeira.

Jonathan cita como exemplo a proposta de colocar à disposição das crianças um trajeto de fitas elásticas como um convite para transpassá-las. “Em nenhum momento existe uma instrução de como ou do que fazer. Montamos a proposta com uma intenção, mas as crianças, de todas as idades, vão explorar à maneira e no tempo delas”, diz.


Por falar em tempo, a duração das propostas nessa abordagem é flexível, deixando de lado uma programação com horários rígidos porque o foco é sempre a criança.

Competências sociais e emocionais

Solange comenta que, ao encorajadas a serem protagonistas, as crianças desenvolvem competências, sociais e emocionais, importantes para a vida adulta. O brincar livre da criança protagonista, segundo ela, possibilita o desenvolvimento de habilidades como inteligência emocional, capacidade de concentração, argumentação e de autonomia, por exemplo. “A criança é estimulada a tomar pequenas decisões, a resolver pequenos problemas e conflitos”, finaliza.

O propósito maior das escolas que se inspiram nessa abordagem é que as crianças possam viver a infância na sua plenitude por meio de um currículo de possibilidades. Enfim, é resgatar a cultura da infância para o cotidiano e práticas educativas.


8 meses

💙
04 maio 2018

Cheio de super poderes!


Mais um ensaio que fizemos e claro que teria a participação do Gui  (e não estou dizendo só nas fotos não), a participação dele principalmente é na escolha do tema.
Vocês que vem acompanhando os nossos ensaios devem se perguntar, mas se o acompanhamento é da Mari, porque os temas não são voltados para ela? Bom eu respondo, desde a gestação o Gui participa ativamente das escolhas, algumas decisões e quando fizemos a parceria com a ClickMomentos para que fosse feito o acompanhamento da Mari, ficamos pensando em temas que o Gui entrasse no clima, e curtisse também participar e os resultados estão sendo esses temas digamos um pouco "fora do padrão" que vemos nos ensaios para meninas.
Como ele entrou na fase do Dragon Ball, o tema para os 8 meses tinha que ser esse, e vocês não fazem ideia da ansiedade dele em poder fazer o ensaio. E para ajudar a fotógrafa (que é amiga da família e adora esse mundo dos heróis) entrou na dele também, ou seja, fui voto vencido (toda e qualquer sugestão minha foi abordada pelos dois).
E como já dizia o ditado "o que você não pede chorando, que eu não faço sorrindo", a família toda entrou no clima e literalmente vestimos a camisa DragonBall.









 

Se você assim como nós, adora registrar momento especiais, deixo a minha indicação, passa nas redes sociais da Click Momentos  e conheça o serviço . E aproveitando que o dia das mães está quase ai na porta, deixa a dica pro marido, filho (a) , que seria um presente maravilhoso fazer um ensaio .



Contato Rhariclea (11)98210-2456

Gestante e o vírus da gripe

💙
30 abril 2018

Infectologista alerta para prevenção das gestantes contra o vírus da gripe

A grávida imunizada diminui em até 64% a chance de os bebês terem sintomas da gripe e em até 70% os riscos de infecções ao longo dos seis primeiros meses de vida

O vírus influenza A, cujo principal conhecido é o H1N1 é uma combinação genética dos vírus da gripe suína, aviária e do vírus humano da gripe. É um dos causadores da gripe comum e também de grandes surtos. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) é possível a transmissão pelo contato com secreções respiratórias, saliva, espirro, tosse e também pelo contato com superfícies contaminadas.  

As gestantes imunizadas contra o vírus conseguem afastar os riscos de complicações durante a gestação e protegem os filhos depois do nascimento. Segundo um estudo da Universidade de Utah nos Estados Unidos, a gestante imunizada diminui em até 64% a chance de os bebês terem sintomas da gripe e em até 70% os riscos de infecções ao longo dos seis primeiros meses de vida.

É esperado, normalmente, que o surto do vírus apareça entre os meses de março e julho. A maneira mais eficaz de combater a doença é a prevenção. “As medidas mais importantes são a imunização com a vacina contra a gripe (influenza A e B) e a higienização adequada, englobando a lavagem frequente das mãos e manter os ambientes arejados e ventilados. Essas medidas reduzem as chances de contrair o vírus”, alerta a Dra. Rosana Richtmann, infectologista do Hospital e Maternidade Santa Joana.


Apesar das semelhanças com os sintomas iniciais da gripe comum – febre, tosse, coriza, dor de garganta, na cabeça e no corpo –, o vírus influenza pode ser ainda mais perigoso. Além dos sintomas normais de gripe, outra forma mais grave da manifestação do vírus é a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). “Ela é caracterizada por falta de ar, diminuição da saturação de oxigênio, desconforto respiratório, podendo evoluir para insuficiência respiratória e, em alguns casos, podem ocorrer vômitos e diarreia”, afirma a médica. 

Existem testes laboratoriais que são capazes de identificar por qual tipo de vírus o paciente foi infectado e o médico direcionará para o melhor tratamento.


Sobre o Hospital e Maternidade Santa Joana: O Hospital e Maternidade Santa Joana é reconhecido como um grande centro especializado nos cuidados com a saúde integral da mulher e do neonato. Uma das Instituições que mais investem em tecnologia hospitalar e infraestrutura é acreditado pela Joint Commission International (JCI), a mais importante certificação hospitalar do mundo, que atesta a excelência do hospital em segurança do paciente e qualidade do atendimento. O Santa Joana oferece serviços de alta complexidade para gestações de risco. Único no Brasil a possuir uma UTI Neonatal especializada no tratamento de bebês com problemas neurológicos, o Hospital ainda contempla mais quatro unidades de terapia intensiva neonatais, além da UTI Adulto - todas equipadas com o que há de mais avançado no segmento. A Instituição ainda conta com serviços de Medicina Fetal, além de Centros de Endometriose e Imunização. 

Visite o site: www.santajoana.com.br


Custom Post Signature

Custom Post  Signature